quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Éticas e Moral - Breve Curso de Ética

Em um comentário à introdução (i), um colega pediu para que se fizesse uma publicação diferenciando ética, ética normativa, ética prática, ética descritiva e metaética Ele escreveu que às vezes se confunde com tantas denominações e pergunta onde encaixar Aristóteles. 


A aula 2, melhor do que a 1, responde a isso (o comentário é da aula 1), mas como é muito comum as pessoas usarem ao menos as palavras ética e moral de modo confuso, e como aqueles tipos de ética citados são muito comuns em livros e artigos de ética e de outras áreas, resolvi atender diretamente ao pedido e agora, publicar aqui, como uma mini-aula. Antes eu sugiro que sempre usem ética para a teoria filosófica ou conjunto de proposições sobre a moral e sobre o pensamento moral, e moral para a prática ou conjunto de proposições sobre como devemos viver.

Introdução (III)


Ética é grosso modo uma disciplina da filosofia que estuda a moral (assim como a filosofia da ciência é grosso modo, a disciplina da filosofia que estuda a ciência). Temos como objeto ou reflexão de primeira ordem, nossas opiniões morais (assim como temos opiniões científicas), mas temos também a reflexão de segunda ordem, ou seja, opiniões sobre as opiniões morais (e opiniões sobre as opiniões científicas). Essa opinião de segunda ordem, que incide sobre dado objeto ou tema, é chamada de filosofia. (Ao invés de ética alguns usa filosofia moral, que na verdade deveria ser chamada de filosofia da moral. Não dizemos filosofia científica, mas filosofia da ciência).

Moral é o reto agir, ou, o conjunto de prescrições universalizáveis sobre a conduta intersubjetiva. (Nossas, dos dois jeitos ficou difícil. 

"Reto" vem de "correto", é um adjetivo qualificativo, como ação correta, boa, justa, adequada etc. É tal qualificação que dá à moral seu foco central: moral tem a ver como devemos viver, ou, que boa vida haveríamos de apoiar e praticar, como ser justos e termos uma sociedade justa. que modo de agir é adequado ou inadequado

Prescrições são preceitos, ou princípio práticos, ou simplesmente normas de ação. 

Universalizáveis são tais preceitos quando eles se aplicam a tipos de ações e tipos de agente, e não a ações individuais, e o que indica que se trata disso e não de preceitos individuais é o uso dos adjetivos qualificativos, como "reto", "bom", "justo", "adequado". Mas não sei se a explicação não piorou tudo. 

Se sim, esqueça o que eu disse e traduzam a primeira frase por "moral é o conjunto de ações de nossa conduta para com os outros e deles para conosco, que são avaliadas como certas ou erradas, boas ou más, justas ou injustas". (Hum! Ficou melhor)

Então, Ética é a aplicação do pensamento crítico ao reto agir e ao raciocínio sobre ele, e engloba em geral a metaética, a ética normativa e a ética prática. Por exemplo, as postagens deste curso são um exemplo de metaética, e, logo, de ética simplesmente. A melhor definição que conheço é a seguinte:
ética é o bem pensar sobre o reto agir.

Ética normativa e ética prática se equivalem, e se distinguem talvez pela foco: a primeira no(s) critério(s) moral(morais) substantivo (s) e no padrão moral (ou padrões morais) que podem ser usados na ética prática, que, trata, diretamente, de problemas específicos. Por exemplo, a ética prática trata diretamente do aborto e de outros problemas que envolvem a medicina (e são catalogados como bioética - você esqueceu de colocá-la na lista!), enquanto a ética normativa trata do padrão ou padrões do que é certo e errado em geral, se o certo é o que produz as melhores consequências para os envolvidos e afetados, por exemplo, pela lei do aborto, ou quem sabe, o certo é o que é justo fazer independentemente dos efeitos que isso terá sobre os afetados, por exemplo, que não é justo atender à mulher que solicita o aborto (ou vice versa, obrigar a mulher a manter uma gestação indesejada seria algo injusto), ou uma mistura deste dois padrões.

Ética descritiva é o nome que se dá ao estudo empírico da ética e da moralidade, é o que se faz na antropologia, sociologia, psicologia, em em qualquer estudo que visa conhecimento dos fatos. Por exemplo, quando o sociólogo estuda os padrões normativos seguidos pela maioria das pessoas quando falam sobre o aborto.

Metaética é o nome que se dá ao estudo conceitual e propriamente filosófico da moral e do pensamento moral (raciocínio moral). Por exemplo quando, ao se tratar do aborto, se pergunta, afinal de contas, o que estamos fazendo e o que significam as palavras e o discurso que estamos usando. É um estudo lógico dos conceitos que usamos ou poderíamos usar. O breve curso que estou postando, sobre o certo e o errado, não avalia se é certo ou errado o aborto o outra ação, mas se podemos pensar que tal opinião é objetiva ou subjetiva, ou quem sabe relativa culturalmente, e quais as implicações de cada uma destas interpretações.

Aristóteles talvez se encaixe na... humm... deixe-me ver... uai, não sei. Alguém aí sabe? Algum aristotélico ou especialista em Aristóteles? Minha hipótese é que parte do que ele escreve sobre ética é metaética, porque ele trata do raciocínio prático, da fraqueza da vontade e outros pontos mais teóricos. Mas ele também tem uma lista de virtudes e vícios e uma reflexão sobre como chegar e manter-se na virtude, e neste sentido, ele está fazendo ética normativa e ética prática.

* * * * *
1 - A opinião prática que alguém ou uma cultura possa ter sobre o casamento gay e sobre o que devemos fazer a respeito é algo da ética ou da moral? Por que?
2 - E o "breve curso" e o livro de Russ Shafer-Landau? Você consegue visualizar a diferença e dizer algo sobre a natureza da ética filosófica?
3 - Um livro sobre o aborto pode conter todas as éticas relacionadas acima? Exemplifique com frases em que a palavra aborto apareça.


3 comentários:

  1. Muito boa essa iniciativa, professor. Parabéns e obrigada.
    Abraço
    Francisca

    ResponderExcluir
  2. Muito claro e objetivo, encontrei o que eu precisava.

    ResponderExcluir