quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

AS CARTAS DE JOÃO: (2) Discursos teológicos e antropológico.

(continuação)

Cartas de João: Teologia: Discursos sobre Deus

É comum achar que religião tem a ver com Deus e que ela tem de ter um discurso sobre Deus, uma teoria ou um conjunto de proposições sobre Ele. Seria difícil conceber uma religião sem Deus e sem uma Teologia, mas de fato há religiões sem Deus, como o budismo e o confucionismo. Talvez devemos dizer que ao menos as religiões monoteístas clássicas, judaísmo, cristianismo e islamismo devem necessariamente falar sobre Deus. Não tenho certeza. Acho plausível a idéia de que a cultura da época em que nasceu, por exemplo, o cristianismo, era bastante religiosa, e, por isso, quem sabe, há tantos aspectos religiosos nele, mas pode-se sustentar que a religião ou religiosidade não é a essência do cristianismo. Qual seria é difícil também de dizer. Talvez a ética, talvez uma filosofia ou metafísica prática, já que, como vimos no tópico anterior, a essência da mensagem cristã não está exatamente na religiosidade ou na metafísica, mas na prática do amor fraterno. Deixemos porém de lado tal discussão e aceitemos que há, ao menos nas cartas de João, um discurso, ou alguns discursos sobre Deus. E vejamos quais são. Há ao menos dois: o discurso sobre o Deus que é o Pai de Jesus Cristo e também da humanidade; o discurso sobre Jesus como o Messias de Deus, o enviado, o salvador da humanidade, ou seja, como Filho de Deus.
“Porque a Vida se manifestou, nós a vimos, dela damos testemunho, e lhes anunciamos a Vida Eterna. Ela estava voltada para o Pai, e se manifestou a nós. (...) E a nossa comunhão é com o Pai e com seu Filho Jesus Cristo”. (1 Jo 1, 2-3)

Discurso sobre Deus Pai

Deus é luz e nele não há trevas” (1Jo 1, 5). Deus é Pai de Jesus Cristo, e nos dá a Vida e a Vida Eterna (= vida em plenitude) através Dele, o que significa que Ele é Pai de todos nós. Deus é juiz: isso não está escrito, mas podemos deduzir, já que Jesus é reconhecido como o advogado intercede diante do Pai, pelo perdão (1Jo 2,1-2). Deus é amor: Ele nos amou primeiro, seja nos chamando à Vida, seja nos chamando à vida plena (enviando seu Filho para que tenhamos a vida – 1Jo 4, 10). Deus é redentor: envia seu Filho para salvar o mundo (= as pessoas: do pecado, do Maligno, do mundo), e salvar do mundo (“Tudo o que há no mundo – os apetites baixos, os olhos insaciáveis, a arrogância do dinheiro – são coisas que não vem do Pai” – 1Jo 2, 16). Deus é doador da Vida (= Criador¿). Deus é quem dá a graça, a misericórdia e a paz (2 Jo, 3). Deus quer a Vida através da comunhão conosco; Deus quer a comunhão conosco, através da Vida que nos dá. (“O mundo passa com seus desejos insaciáveis. Mas quem faz a vontade de Deus permanece para sempre” – 1Jo 2, 17). Em suma, Deus é caracteriza como: Criador, Luz, Pai, Juiz, Redentor, temas clássicos no pensamento teológico judeu-cristão, e, ao menos, explicitamente, como Criador, e implicitamente, como uma Pessoa, temas clássicos do pensamento filosófico clássico antigo e medieval (e em menor magnitude, moderno e contemporâneo também).

Discurso sobre Jesus Cristo, o Deus Filho.

Jesus é a Palavra, Palavra que é Vida, e manifesta a nós a si e a Vida (prólogo). Jesus é O justo, que é o nosso advogado junto ao Pai, nosso e do mundo inteiro. (1Jo 2, 1-2). Quem pratica a justiça nasce de Deus e Jesus é justo (logo, nasceu de Deus – 1Jo 2, 29). O nome de Jesus perdoa os pecados: Jesus é o que perdoa. A ação de Jesus, de doar a vida, ensina a vontade de Deus: “compreendemos o que é o amor porque Jesus deu sua vida por nós” (1Jo 3,16). Jesus é o Messias (o Cristo – 1 Jo 2, 22; Jesus é o encarnado (1Jo 4, 2). Jesus é o unge: 1 Jo 2, 27. Em geral, na Bílbia, a unção tem a ver com a força para a luta. Aqui se fala em substituição d professores e mestres: com a unção de Jesus, já não se tem necessidade de alguém que ensine (idem). Mas Jesus é também o mestre ou o professor que ensina (ensina qual é a vontade de Deus). Jesus é o doador da própria vida, aquele que entrega a vida, que é o máximo que alguém possui. (1Jo 4, 8; 5, 8) Jesus é o Filho de Deus: “Quando alguém confessa que Jesus é o Filho de Deus, Deus permanece com ele, e ele com Deus” (1Jo 4, 15; cf. também 1Jo 5, 5). Jesus é o Salvador do mundo. Com Ele se pode vencer o mundo (1Jo 5 4-5), obter a remissão – a libertação - dos pecados (e de seus efeitos, que desde o Gênesis, parecem ter ligação com a morte), obter a Vida eterna (que no texto parece mais vida plena do que exatamente vida após a morte): quem tem o Filho tem a Vida (1Jo 5, 12). Esses são os principais títulos de Jesus na primeira Carta: Filho de Deus, Salvador do mundo, Messias (Cristo), Palavra, Vida, Mestre, Justo, Advogado, o que Perdoa, o que unge, o que doa a vida. Na segunda carta Jesus é a Verdade. (2 Jo 1). Jesus é a razão da existência de cristãos e comunidades cristãs, para quem é dirigida a carta: Ele foi o evento principal, o acontecimento do tempo de vida daquelas pessoas mais convictas de sua importância. O impacto de sua vida, mensagem e prática foi tal que Ele foi identificado como Filho de Deus, o que, para nós, é o equivalente a Deus. Daí que nas cartas, o discurso sobre Jesus é um discurso sobre Deus mesmo, ou sobre o homem que de tão humano, passou a ser reconhecido como divino.

4 comentários:

  1. Vou aproveitar que o texto está dividido, e tecer alguns comentários também de forma fragmentária. Gostaria de dizer onde divergimos> primeiro: "pode-se sustentar que a religião ou religiosidade não é a essência do cristianismo". Religião como é cediço é uma re-ligação ao Criador, "re" porque se traduz em um reencontro do homem com o seu Senhor, então sendo o cristianismo uma promessa de paz e esperança para os aflitos, e estas vem de Deus, creio equivocar-se aqui; pois além do amigo, desconheço outra pessoa que seja cristão, sem dimensão do relacionamento pessoal com Deus, o que me faz pensar que, sim, o cristianismo tem como essência a religiosidade. Segundo, "a essência da mensagem cristã não está exatamente na religiosidade ou na metafísica, mas na prática do amor fraterno."Para gregos e troianos, o centro do cristianismo é Cristo ressuscitado. Nas palavra daquele que para mim é o maior expoente da fé cristã (São Paulo): Se Cristo não ressuscitou dentre os mortos, a nossa fé é vã. E porque haveríamos de abrir mão de nossas próprias vidas... o ser humano não ama seu inimigo por instinto, como faria isto, senão através de uma convicção íntima forte, que será salvo do sheol, que irá encontrar-se com aquele que é o centro da sua fé? Porque meu caro o cristianismo não exige somente que amemos aquele que nos ama, mas também aquele que nos odeia. Desculpe não consigo ser sucinto. Tharles dos Santos.

    ResponderExcluir
  2. Valeu Tharles. Muitos discordam de mim quando digo que talvez o cristianismo não seja uma religião mas uma ética, ou, uma filosofia de vida (que até inclui a religiosidade, mas não só, e não essencialmente). "Permanecem a fé, a esperança e o amor, mas o maior é o amor". (Paulo) "Religião pura diante de Deus é socorrer o órfão e a viúva" (Tiago). Mas eu não tenho mais problema em assumir a religião cristã e a igreja católica, de modo que acho que o assunto é secundário.

    ResponderExcluir
  3. Ah, discordo totalmente de amar o inimigo para fugir do "sheol"... isso retiraria todo o mérito da ação, que perderia sua marca cristã: amar a todos, incluindo o inimigo, porque assim cristo nos ensinou a fazer, a viver; porque isso é bom. E pronto, sem pensar em recompensas...

    ResponderExcluir
  4. Concordo, não devemos amar o outro pensando numa recompensa. Contudo quando iniciamos a caminhada, amamos (aqui, tenho o amor como uma ação em benefício de outrem) porque recebemos o mandamento. Não se é um Cristo da noite para o dia. João Paulo Sartre já dizia "o meu inferno é o outro", como esperar uma atitude humana em prol do inimigo de forma natural. Tenho como convicção que só chegamos a desejar verdadeiramente o melhor para o inimigo, por uma força divina, que na minha opinião é o Espírito Santo.

    ResponderExcluir