segunda-feira, 10 de setembro de 2012

REPOSIÇÃO DAS AULAS - AULA 1 - RETOMANDO O CURSO DE ÉTICA - BREVE CURSO DE METAÉTICA


Éticas e Moral – Retomando o Curso de Ética: Breve Curso de Metaética

Prof. Alcino Eduardo  Bonella
1.      Introdução
Uma pessoa me pediu para que se fizesse uma a diferenciação ente ética, ética normativa, ética prática, ética descritiva e metaética Ela disse que às vezes se confunde com tantas denominações (e pergunta onde encaixar Aristóteles. Posso estender a pergunta: onde encaixar Kant, Mill, e o próprio Hare?).
 

É muito comum as pessoas usarem ao menos as palavras ética e moral de modo confuso, e como aqueles tipos de ética citados são muito comuns em livros e artigos de ética e de outras áreas, resolvi atender diretamente ao pedido e preparar esse texto abaixo. Antes eu sugiro que sempre usem ética para a teoria filosófica ou conjunto de proposições sobre a moral e sobre o pensamento moral, e moral para a prática ou conjunto de proposições sobre como devemos viver. (Como a Física é o nome de uma disciplina, e objetos físicos ou o universo físico é a realidade sobre a qual ela incide).

                 


.      Ética e Moral

Ética é grosso modo uma disciplina da filosofia que estuda a moral (assim como a filosofia da ciência é grosso modo, a disciplina da filosofia que estuda a ciência). Temos como objeto ou reflexão de primeira ordem, nossas opiniões morais (assim como temos opiniões científicas), mas temos também a reflexão de segunda ordem, ou seja, opiniões sobre as opiniões morais (e opiniões sobre as opiniões científicas).
Essa opinião de segunda ordem, que incide sobre dado objeto ou tema, é chamada de filosofia. (Ao invés de ética alguns usa filosofia moral, que na verdade deveria ser chamada de filosofia da moral. Não dizemos filosofia científica, mas filosofia da ciência).
Moral é o reto agir, ou, o conjunto de prescrições universalizáveis sobre a conduta intersubjetiva. (Nossa, parece que ficou difícil de entender).


"Reto" vem de "correto", é um adjetivo, como ação correta, boa, justa, adequada etc. É tal qualificação que dá à moral seu foco central: moral tem a ver como devemos viver, ou, que boa vida haveríamos de apoiar e praticar, como ser justos e termos uma sociedade justa, que modo de agir é adequado ou inadequado

“Prescrições” são os mesmos preceitos, ou princípios práticos, ou simplesmente normas de ação, normas que permite, exigem ou proíbem atos de um certo tipo.

Universalizáveis são tais preceitos quando eles se aplicam a tipos de ações e tipos de agente, e não a ações individuais, singularizadas por nomes próprios, e o que indica que se trata disso e não de preceitos individuais é o uso da lógica dos adjetivos anteriormente citados, como "reto", "bom", "justo", "adequado". Mas não sei se a explicação não piorou tudo. 

Se sim, esqueça o que eu disse e traduzam a primeira frase por "moral é o conjunto de ações de nossa conduta para com os outros e deles para conosco, que são avaliadas como certas ou erradas, boas ou más, justas ou injustas de modo universalmente válido, que são supremas”. (Hum! Ficou melhor).


 
3.      Tipos de ética.

Ética é a aplicação do pensamento crítico ao reto agir e ao raciocínio sobre ele, e engloba em geral a metaética, a ética normativa e a ética prática. Por exemplo, as postagens deste curso são um exemplo de metaética, e, logo, de ética simplesmente.
A melhor definição que conheço é a seguinte: Ética é o bem pensar sobre o reto agir.

Ética normativa e Ética prática se equivalem, e se distinguem talvez pela foco: a primeira no(s) critério(s) moral(morais) substantivo (s) e no padrão moral (ou padrões morais) que podem ser usados na ética prática, que, trata, diretamente, de problemas específicos.
 (Peter Singer, famoso pela sua Ética Prática)

Por exemplo, a ética prática trata diretamente do aborto e de outros problemas que envolvem a medicina (e são catalogados como bioética - esquecemos de colocá-la na lista?),  enquanto a ética normativa trata do padrão ou padrões do que é certo e errado em geral, se o certo é o que produz as melhores consequências para os envolvidos e afetados, por exemplo, pela lei do aborto, ou quem sabe, se o certo é o que é justo fazer independentemente dos efeitos que isso terá sobre os afetados, por exemplo, que não é justo atender à mulher que solicita o aborto (ou vice versa, obrigar a mulher a manter uma gestação indesejada seria algo injusto), ou uma mistura deste dois padrões.

Ética descritiva é o nome que se dá ao estudo empírico da ética e da moralidade, é o que se faz na antropologia, sociologia, psicologia, em em qualquer estudo que visa conhecimento dos fatos. Por exemplo, quando o sociólogo estuda os padrões normativos seguidos pela maioria das pessoas quando falam sobre o aborto.


Metaética é o nome que se dá ao estudo conceitual e propriamente filosófico da moral, do pensamento moral (raciocínio moral), e da própria ética (ou éticas, como visto acima). Por exemplo, quando, ao se tratar do aborto, se pergunta, afinal de contas, o que estamos fazendo e o que significam as palavras e o discurso que estamos usando. É um estudo lógico dos conceitos que usamos ou poderíamos usar.

O breve curso de metaética que darei agora para os alunos, resumindo o livro de Russ Shafer-Landau, não avalia se é certo ou errado o aborto o outra ação, mas se podemos pensar que tal opinião é objetiva ou não, e se não o for, se é relativa culturalmente, ou relativa individualmente, ou sem nenhum sentido, e quais as implicações de cada uma destas interpretações para nosso conhecimento e pensamento moral.

   


(Aristóteles talvez se encaixe na... humm... deixe-me ver... uai, não sei. Alguém aí sabe? Algum aristotélico ou especialista em Aristóteles? Minha hipótese é que parte do que ele escreve sobre ética é metaética, porque ele trata do raciocínio prático, da fraqueza da vontade e outros pontos mais teóricos. Mas ele também tem uma lista de virtudes e vícios e uma reflexão sobre como chegar e manter-se na virtude, e neste sentido, ele está fazendo ética normativa e ética prática. Kant também tratou de ética normativa, e, em certo sentido, metaética, quando tratava do estatuto da razão prática, suas relação com a teórica, a liberdade, e temas afins. Também tratou de ética prática (animais, promessas, suicídio, etc.). Mill tratou de ética normativa como Kant, mas defendendo o utilitarismo. Também tratou de ética prática, ao menos no livro sobre a liberdade e outros sobre temas políticos. Muitas de suas teorias sobre a moral são metaética (Hare diz que ele expõe uma teoria prescritivista, e não naturalista, dos conceitos morais). Hare tratou dos 3 assuntos, mas nos livros básicos que estudamos, essencialmente, de metaética.)

* * * * *

1 - A opinião prática que alguém ou uma cultura possa ter sobre o casamento gay e sobre o que devemos fazer a respeito é algo da ética ou da moral? Por quê?

2 - E o "breve curso" (baseado no livro de Russ Shafer-Landau, O que aconteceu com o bom e o mal?, sobre objetivismo, relativismo e ceticismo) e o curso de ética 1 com os livros de Hare (A linguagem da moral e Ética)?Você consegue visualizar a diferença e dizer algo sobre a natureza da ética filosófica?

3 - Um livro sobre o aborto pode conter todas as éticas relacionadas acima? Exemplifique com frases em que a palavra aborto apareça.

2 comentários:

  1. Mais uma vez obrigado por responder minha pergunta professor, estou acompanhando o curso aqui no blog sempre que posso. Espero que dê certo mesmo a proposta que o senhor postou de dar uma disciplina de ética 2, se for possível oferecer em um dia em que há janela para o sexto período, seria ótimo.

    Deixo aqui um link com e-books sobre ética animal que encontrei na internet. Não sei se o senhor tem costume de usar o computador para ler livros. Mas talvez haja algo que você possa aproveitar.

    link:http://www.crocko.com/005DAB68A0AF488D8B4FE994CCC1FF1C/Animal_Rights.rar

    abraço

    ResponderExcluir